quarta-feira, 30 de julho de 2008

este sorriso (de Klimt)



neste cheiro de ti
um aroma picante a prado verde
o cheiro de nós dois
juntos

um vaso de delírios
o som do piano que está em qualquer lado
para além do fim
e do começo
no banho de afectos
na horas mortas
mas tão vivas nas cintura
na carícia ousada
rainha do nosso pouco tempo
na pressa dos beijos

nesse eterno fugir das tardes
e da verdade que fica do lado de fora
quando o teu verso
se impõe em lume
por arder
e me chega disfarçado de maça doce
para que eu o trinque devagar
no gesto que te peço
de fechar os olhos e morrer
no rasgar de dentes sem ferida

e este impulso de planicie
que se faz curva no desejo
esse cálice deslizante
de pele
que se parte
em água
e mel

quando ouves o fechar
vagaroso
da porta
quando tudo o que há em ti
quer entrar
e não encontrar a saida

e a sorrir balançamos
a caminho do mar imenso
porque a felicidade também está nos cantos redondos das coisas em que tocas

quando dizes que o meu sorriso foi feito só para ti

Eme


1 comentário:

pedro disse...

m de magia
m de melodia
m de melancolia
m de musica
m de maravilha
m de muito
m de mundo

este blog é tudo isto a cada passo que dou na minha viagem por estas palavras, aqui vemos o amor a acontecer, os sonhos a surgir a flor da saudade e do tempo a ganhar pétalas... a esperança cada vez mais presente...

este texto está divinal, nostalgico as vezes, narrativo outras, sentido plenamente...
Porque as vezes é a falar de pequenas grandes coisas que e desenrolam os sonhos e se acende a nossa luz....
porque as vezes o sonho é tudo.

gostei do quadro Klimt é klimt e não é por nada que a danae e o beijo tiveram já lugar no meu espaço...
afinal é o pintor que melhor casa com a poesia :-)